Instrumentos de corda

Guitarra2

As guitarras costumam dar muito trabalho se ficarem muito tempo sem cuidados e manutenção. principalmente, se estiverem inactivas e com cordas colocadas e afinadas. Se pretender deixar o seu instrumento hibernando por um longo período, tire as cordas e guarde-as dentro de um saco ou estojo. Para quem toca todo dia, o ideal é deixar o instrumento fora do saco ou estojo, a respirar como qualquer mortal. Não deixe a poeira acumular. Escolha um local arejado e lembre-se que as condições ideais para instrumentos de cordas feitos de madeira são de 50% de humidade e 50% de secagem. Muita humidade irriga demasiadamente as fibras da madeira, deixando-as mais susceptíveis à perda de resistência mecânica. Os braços costumam empenar para a frente, deixando as cordas altas em relação à escala. Se a guitarra estiver afinada, as cordas tencionam cada vez mais os braços de forma que tendem a empenar. Um set de cordas de calibre .009 exercem aproximadamente 39 quilos de força sobre os pontos de apoio da guitarra. A secagem excessiva provoca retracção das fibras e perda de massa. O braço tende a empenar para trás na direcção oposta as cordas, provocando trastejamento e torções na escala. O ideal é o controle, procure sempre observar as condições do meio ambiente. Se o local tiver humidade acima do normal, é aconselhável soltar as cordas quando não estiver a tocar. Já, em local seco, basta deixar o instrumento afinado, mas sempre de olho no braço do instrumento. As guitarras, os contrabaixos e alguns tipos de violas têm um dispositivo de ajuste no braço, chamado de tensor. Esse sistema tem limitações, mas o luthier, é o profissional mais indicado para fazer a regulação. Guitarra1

Em relação à parte eléctrica, as peças defeituosas podem ser trocadas. Os problemas são decorrentes de desgaste natural pelo uso, baixa qualidade das peças, oxidação e factores externos (sujidade, batidas e manipulação errada). Os sintomas são: ruído, chiado, mau funcionamento e perda de sinal.

Quanto às ferragens como: pontes, atarraxas e parafusos, o grande inimigo é a oxidação humidade relativa do ar, suor ,etc.Cuidado com a má conservação . Não use produtos muito abrasivos para lustrar as ferragens, basta polir com uma cera automotiva, mas pouco e só de vez em quando. Uma flanela macia e seca é o ideal no dia a dia. Peças douradas perdem a cor rapidamente, nem mesmo a flanela deve ser usada com muita frequência. Os pick-ups sofrem com o pó e humidade. É importante evitar que o pó entre no captador e penetre na bobina . As partículas de pó geralmente trazem a humidade, que oxida e provoca o rompimento do fio da bobina. Consequentemente, o captador começa a perder sinal, falha e finalmente pifa. Convém manter sempre o captador limpo e livre de pó.

Imagine a quantidade de poeira acumulada dentro de uma viola? Pelo facto de ser um instrumento acústico, o estrago começa de dentro para fora, afectando tanto a estrutura interna como o timbre. A dica é limpar periodicamente o instrumento tirando a poeira com uma escova de cerdas macias ou com uma flanela limpa. Já com a viola, use um aspirador de pó para retirar a sujidade, mas faça-o com cuidado. Para dar um trato no visual, primeiro verifique o tipo de acabamento do instrumento. Marcas como Gibson e Martin têm acabamento em nitrocelulose e devem ser limpos com polidores específicos. Caso o produto não seja compatível, pode haver uma reacção química que vai comprometer o acabamento. Instrumentos que tem acabamento em verniz bi-componente (poliuretano) podem ser lustrados com um polidor líquido de móveis. Outro tipo de acabamento é o encerado, mais simples e susceptível a riscos e marcas. A cera de carnaúba é a mais indicada para a limpeza e o trato no visual. Para a escala escura, use um óleo de limão, peroba, laranja ou nozes. Pode ser encontrado em casas de ferramentas ou casa de tintas. Para escala clara, óleo de peroba do campo ou um lustrador líquido, compatível com o verniz. Para os trastes, isole a escala com fita crepe e passe cera automotiva, para lustrar depois.

A regulação do instrumento

Também é considerada como um cuidado básico e fundamental. Basta procurar um luthier de confiança, ou fazer um curso para aprender a mexer na sua guitarra. Quais as chances de conseguir fazer uma regulação razoável sem ter qualquer prática em manutenção ou ajustes? Muito poucas... mas o que vale é a consciência, aos poucos com ajuda do luthier, revistas, Internet e cursos...muita coisa pode ser feita pelo músico.

A regulação geral engloba

Cuidados na verificação dos trastes, e em caso de desgaste ou trastejamento, será necessário fazer uma rectificação ao nivelamento dos trastes.

Ajuste do tensor

Colocação de cordas novas

Regulação da ponte

Regulação de entonação (oitavas)

Rheck da parte eléctrica

Recagem do hardware

Limpeza

Cordas e cabos

Devem ser trocadas quando estiverem com timbre tosco, sem brilho e nem espere que fiquem em estado de miséria para os trocar. Cordas velhas danificam os trastes e no final das contas, não sai caro trocá-los ...a regularidade depende de cada músico, uma média razoável seria trocar o encordoamento uma vez por mês. Procure comprar cabos de boa qualidade; nada adianta ter um equipamento de primeira categoria e economizar com cabos que mais parecem cordas . Cabos ruins produzem ruídos, captam interferências e pifam com facilidade. Mantenha os plugs dos cabos limpos, para não sujar os conectores da guitarra, dos efeitos e amplificadores. Enrole sempre os cabos em espiras grandes e cheque as fichas dos plugs jacks, para ver se os fios estão devidamente soldados.

Efeitos e amplificadores

Aparelhos electro-eletrónicos devem estar sempre limpos e livres de humidade. Os efeitos devem usar fontes específicas para cada marca e os racks de efeito devem estar protegidos usando um condicionador de força. Os amplificadores devem ser revisionados periodicamente e os cuidados com o timbre influenciam na integridade do aparelho. Os cuidados maiores devem ser com a verificação da voltagem e com o transporte. Use um cabo paralelo polarizado. Procure não transportar amplificadores a válvulas logo depois de os usar, espere que as válvulas arrefeçam. Não ponha o amplicador quente dentro de cases, espere até arrefecer. A corrente eléctrica em Portugal não é normalmente instável pois tem sido um grande problema para equipamentos em geral. Verifique o que pode ser feito na corrente eléctrica local para ter energia estável.

Teclados

Teclado

O desgaste de algum mecanismo interno é normal pelo tempo, na maioria dos casos, ou componentes electrónicos ou nalguma peça relacionada ao mecanismo do funcionamento das teclas.

A manutenção dos teclados é razoavelmente simples, mas a dificuldade maior pode ser em encontrar peças e componentes.

Baterias

Bateria

Basicamente, a parte de madeira como os cascos devem estar em condições ideais sempre 50% na relação humidade, secagem . É sempre bom conferir se a madeira não está com manchas ou se não há fissuras.

As ferragens sofrem com a oxidação. Mas não se deve exagerar no polimento. Tanto a parte mecânica de pedais da bateria como a máquina, devem sempre estar bem lubrificados e secos.

Na montagem, nunca aperte demasiadamente os parafusos, tudo é uma questão de jeito, não de força. As peles devem ser trocadas observando o seu estado e o timbre.

A manutenção correcta e periódica é fundamental para que o seu equipamento esteja sempre a funcionar com o melhor rendimento. Pense sempre na manutenção preventiva, do que correctiva.

Se o equipamento estiver muito tempo sem cuidados, tire um tempo para poder fazer a revisão, ou deixe ao cuidado de quem entende. Não se esqueça que equipamento sem manutenção, costuma pifar justamente quando a gente mais precisa. Até a próxima...